9 de março de 2010

E-mail para a Ministra da Casa Civil

Sugestão da colega Camilafracaro do PCI.

Excelentíssima Ministra da Casa Civil,
Sr.ª Dilma Roussef;

Em 2008, o INSS realizou concurso público para o preenchimento de 2.000 vagas. No ano passado, a autarquia pediu autorização ao Ministério do Planejamento para a nomeação de mais 2.000 (100%) servidores, nomeações essasque ocorreriam proporcionalmente ao edital de abertura do concurso.Como se tinha conhecimento, o Ministério do Planejamento poderia autorizar a nomeação de apenas 50% das vagas (1.000). Os outros 50% dependeriam de Decreto da Casa Civil.

Até semana passada tudo indicava que seria possível a nomeação de 100% dos servidores, haja vista a carência dos mesmos nas Gerências, bem como o projeto de Expansão da Rede de Atendimento do INSS (PEX). Contudo, conforme noticia veiculada no Twitter pelo Presidente do INSS – Sr. Valdir Moysés Simão –, no último domingo (07/03), o Ministério do Planejamento autorizou a nomeação de apenas 1.000 novos servidores, uma vez que a nomeação dos outros 1.000 por Decreto da Casa Civil não pode ocorrer, pois não há precedentes para tal.

Note-se que existe qualquer engano aí, já que existem sim precedentes nesse sentido: no ano de 2003 foram autorizadas 600 nomeações através da Portaria 153/2003; em 2004, mais 1.299 nomeações pela Portaria 50/2004; em 2006, 1.000 nomeações por despacho do Presidente da República; e em 2007, 1.080 nomeações também por despacho.

Desta forma, gostaria de saber o que realmente está impossibilitando a nomeação dos demais 50% através de Decreto da Casa Civil?

Respeitosamente,

xxxxx

Envie para: dilma.rousseff@planalto.gov.br

3 Comentários:

Michelly Maria disse...

Pessoal

Creio que o mais sensato e certeiro seria fazermos uma carta e protocolarmos.
Conforme própria declaração do Lula referente ao caso Zapata (Cuba)
>>
Veja o que ele mencionou:

“As pessoas precisam parar com o hábito de fazer cartas, guardar para si e depois dizer que mandaram para os outros. QUANDO UMA PESSOA MANDA UMA CARTA PARA UM PRESIDENTE , NO MÍNIMO, SÓ PODE DIZER QUE O PRESIDENTE A RECEBEU SE PROTOCOLAR A CARTA”

Acho mais certeiro mandar cartas e ter este protocolo , e- mails para pressionar , porque e mail eles podem alegar que não receberam .
Se tiver algum excedente aí em Brasília que possa protocolar, seria de muita ajuda.

Michelly Maria disse...

ESte e mail está muito bem regido e direto ao ponto. Mas seria mais infalível se fosse carta protocolada.

Kathy disse...

Concordo plenamente com vc! O protocolo é uma segurança para nós. Além do mais esta fala do presidente deixa um precedente enorme.

Postar um comentário


Blog Colaborativo dos Excedentes do INSS - Concurso 2008
Todos os direitos reservados ©| 2009 - 2011 |